Skip to main content

Bilheterias Fechadas!

Bilheterias Fechadas!

O governo paulista anunciou que pretende fechar todas as bilheterias do Metrô e da CPTM até o fim deste ano.

O secretario estadual de Transportes Metropolitanos do Estado, afirmou segunda feira (04/10/21) que, antes do fechamento completo das bilheterias do Metrô e da CPTM, o governo pretende reforçar o sistema de autoatendimento nas estações e também a rede de venda de bilhetes virtuais em prestadores de serviços privados.

A secretaria aponta que cerca de 25% dos usuários diários da CPTM e 15% do Metrô não usam o cartão do Bilhete Único ou do BOM e, portanto, serão impactados diretamente com o fechamento das bilheterias nas estações.

Por isso, antes do fechamento, haverá ampliação dos pontos de venda do bilhete virtual conveniados, geralmente localizados em estabelecimentos comerciais ao redor das estações, e também a correção dos problemas técnicos que os terminais de autoatendimento frequentemente apresentam aos usuários do transporte publico na hora da compra.

“A disponibilização das maquinas de vendas automáticas serão realizadas, sobretudo, em estações onde já é sabido que existe essa
demanda. Uma rede credenciada, assim como foi muito funcional na transição da telefonia celular, também esta sendo criada e ampliada fundamentalmente ao redor das estações para que o cidadão possa também adquirir bilhetes físicos ou virtuais centro dessas lojas que estarão credenciadas”

Segundo o secretario, o encerramento da venda de bilhetes em dinheiro nas estações até o fim do ano é uma medida que visa economizar até R$ 100 milhões por ano às duas companhias, em estrutura de segurança e emissão dos atuais bilhetes em papel.

“O custo de manuseio desse bilhete, que é tratado como dinheiro, é bastante oneroso. Bilheterias blindadas, carros fortes para que a comercialização chegue até as estações. Quando o cidadão compra na bilheteria e deixa no bloqueio, aquilo é como dinheiro, portanto exige uma equipe de segurança para que ele recolha nos bloqueios e volte ás bilheterias para serem comercializados novamente. Existe também custo de aquisição do bilhete magnético. O papel, que era da Casa da Moeda, que deixou de produzir, passou a ser feita por uma empresa estrangeira, aumentou os custos com a variação do dólar”, explicou.

O secretario afirmou que, apesar da redução de custos, nenhum dos empregados que trabalha nas bilheterias do Metrô e CPTM serão demitidos, com exceção dos terceirizados.

Bilhete digital:

No final de 2020, a secretaria lançou o bilhete unitário digital para ser utilizado nas estações do Metrô e da CPTM. Batizado de TOP, o bilhete funciona por meio de QR Code em aplicativo de celular ou pode ser impresso em maquinas de autoatendimento. O valor da passagem é o mesmo do Bilhete Único: R$ 4,40

Fontes: www.metrosp.blog.br
www.g1.globo.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.